Foto: Andréa Rêgo Barros/PCR
Foto: Andréa Rêgo Barros/PCR

No Nordeste brasileiro, o milho é imprescindível nas festas juninas, e marca a fartura decorrente do período de chuvas, que corresponde ao nosso inverno.

Originário da própria América e base da alimentação dos povos que habitavam o Brasil antes da chegada dos portugueses, o milho foi difundido nos outros continentes a partir do próprio colonizador.

A culinária junina, saborosa e diversificada, tem no milho seu elemento principal e, como em todos os outros aspectos da nossa cultura, é mesclada pela influência indígena, africana e ibérica.

Algumas guloseimas nordestinas não podem deixar de ser lembradas. Desde o milho cozido ou assado vendido nas ruas, os ambulantes com seus carrinhos de munguzás nas manhãs e fins de tarde na cidade, o vendedor de cuscuz com coco, tradicional no Recife, até as mesas enfeitadas e repletas de bolos, canjicas, pamonhas e tantas outras iguarias de dar água na boca.

Patrocinadores

patrocinadores