Pátio de São Pedro vive noite memorável na véspera do dia do santo que dá nome ao local

< Anterior  Próxima >

Nem a forte chuva que caiu neste domingo de São Pedro espantou os recifenses que queriam aproveitar os últimos dias dos festejos juninos. O Pátio de São Pedro ficou cheio para ver as atrações da noite que foi aberta com o show do Quinteto Violado. Entre as diversas versões clássicas do forró, xote e baião, bastante conhecidas, os músicos fizeram um “poutpourri” das músicas de Luiz Gonzaga e Dominguinhos, entre elas, a famosa “Pedras que Cantam”, dando início a uma grande ciranda que tomou conta de todo o palhoção.

A estrutura feita pela Prefeitura do Recife, que contou com um tablado no piso, foi ideal para as famílias que levaram suas crianças, idosos e até pessoas com deficiência, que puderam curtir a noite confortavelmente protegidos da chuva e com muita tranquilidade. “Vim com meu esposo, meu filho, nora, netos. Fui nascida e criada aqui no Centro do Recife e não poderia deixar de vir curtir um forrozinho hoje. E, para quem gosta mesmo, nada impede, nem a chuva forte”, afirmou a aposentada Antônia da Silva.

Entre uma atração e outra, a Secretaria de Saúde do Recife fez uma ação com um grupo de atores que apresentou uma esquete de teatro alertando a população para os riscos de acidentes e queimaduras com fogos e fogueiras, bastante comuns nesta época do ano. Na sequência, quem subiu ao palco foi o sanfoneiro Gennaro, acompanhado de sua banda composta por guitarra, contrabaixo, bateria, zabumba, triângulo e duas backing vocals. Foi esse time de peso que entoou sucessos da época em que Gennaro fazia parte do consagrado Trio Nordestino, entre elas, “Resto de Amor” e “Neném Mulher”. Ao final, ele deixou o público com “Nem se despediu de mim”, de Gonzagão, e deixou o palco bastante aplaudido.

A banda que deu continuidade ao arrastapé foi a Sagaranna, que encantou a todos com seu forró rabecado e não deixou ninguém parado. Encerrando a noite e o São João 2015 no Centro do Recife, o aguardado Trio Nordestino espremeu até a última gota de disposição do público com sucessos da carreira, entre as quais, “Chinelo de Rosinha”, “O sol com a mão”, “Forró pesado” e “Qui nem jiló”, e assim, todo mundo se esquentou naquele miudinho gostoso que só o São João do Recife tem. “Apesar da chuva, a noite foi incrível e nós vamos pra casa molhados, cansados, mas de alma lavada com esse forró super dez”, elogiou Jeanine de Moura, estudante universitária que estava acompanhada do namorado.

Patrocinadores

patrocinadores